6 de outubro de 2017

Adega Machado

O restaurante típico e casa de fados "Machado", situada na Rua  do Norte, 91 no Bairro Alto, em Lisboa foi fundada pelo guitarrista e compositor Armando Machado e por sua mulher, a fadista Maria de Lurdes Machado, em 1937.

Primeiros anúncios no jornal “Diario de Lisbôa” em 19 de Fevereiro e 31 de Dezembro de 1949

 

Começou por ser uma casa modesta (vulgo "tasca") onde se cantava fado, tendo sido ampliada ao longo dos anos com novas salas.

Foi a segunda casa de fados do Bairro Alto, mas a primeira a dar espectáculos diários. Pelo "Machado" passaram praticamente todos os grandes nomes do Fado, quer fadistas quer músicos. Nesta casa, cantaram todas as gerações da família Marceneiro, chegando mesmo a cantar os três, filho (Víctor Duarte Marceneiro), pai (Alfredo Duarte Marceneiro) e avô (Rodrigo Duarte), tendo sido aqui que Alfredo Marceneiro encerrou a sua carreira de fadista.

Alfredo Marceneiro acompanhado de Armando Machado na viola baixo

Primeiro anúncio já como “Adega Machado” em 17 de Fevereiro de 1950

Beatriz Costa, e à sua direita na foto, Maria de Lourdes Machado, Ada de Castro e Florinda Maria, atrás Alfredo Duarte Júnior e os músicos da casa.

1962

1965

Interior da “Adega Machado”

 

 

Amália Rodrigues na “Adega Machado”

Capa de ementa da “Adega Machado”  em 1977

 

A mítica "Adega Machado", em 2009 encerraria inesperadamente e é adquirida por o grupo "Fado & Food", igualmente proprietária de outras duas casas de Fado, em Lisboa: "Café Luso" e o "Timpanas". As obras de redecoração teriam início em 2011 neste casa que ocupa três edifícios contíguos.

Depois de reaberta em 3 de Julho de 2012, a "Adega Machado" está agora dividida em três zonas principais: a zona de restaurante, com 110 lugares, com Fado ao vivo todas as noites; uma sala para petiscos e vinho a copo no piso inferior, que não tem actuação de músicos, mas que quem qusei cantar o o poderá fazer; e um terraço (inaugurado em 29 de Março de 2014), com zona para fumadores, com um bar, que pode servir para eventos ou apenas para beber um copo. 

 

 

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa, Lisboa no Guiness, Delcampe.net

2 comentários:

Bic Laranja disse...

Confrontar o interior da casa que era com o que está, diz tudo do portugalinho que ainda sobra.
Só lá falta a Madonna.
Cumpts.

José Leite disse...

Caro "Bic Laranja"

Tudo a condizer com a indústria de fazer dinheiro ...

A acompanhar a malta nova que descobriu no Fado um emprego. É vê-los aos montes a adorar o Fado.

Quando vejo entrevistas a essa malta (raras felizmente), e lhes perguntam: quais as vossas referências e inspirações artísticas? ... sempre as mesmas ... Amália, Amália e Amália ...

Cumprimentos