31 de janeiro de 2016

Café Luso

O “Café Luso” também conhecido por «café dos fados» e propriedade de José Lopes Ferreira, abriu as portas na Avenida da Liberdade, em 1927, no edifício que ainda hoje existe e faz esquina com a Travessa do Salitre, onde se situa o Parque Mayer”.

Entrada do “Café Luso”

Estabelecimento que viria a ser ocupado pelo “Café Luso” (dentro da elipse desenhada na foto)

Nota: no edifício da foto anterior, na loja das três montras onde tem o letreiro “Leilão de Livros” e restantes 5 portas da esquina com a Travessa do Salitre, viria a instalar-se o primeiro “Café Lisboa” que, em Junho de 1968, seria transferido para o lado oposto da Avenida da Liberdade.

                                            1933                                                                                       1935

 

Pelo “Café Luso”, passaram grandes nomes do fado como Alberto Ribeiro, Alfredo Marceneiro, Amália Rodrigues, Berta Cardoso, Lucília do Carmo, Frutuoso França e muitos outros. Ficou, por isso, conhecido como a "Catedral do Fado", celebrizou-se pelos afamados concursos de revelação de talentos, e continuou fiel a esse princípio de acolher artistas emergentes, o que explica que grande parte dos nomes que compõem a história do Fado tenham contribuído para a própria história do “Café Luso”. «Os programas do Café Luso não se confundem e são sempre os melhores. Melhores programas, melhor clientela e o maior respeito. »

 

 

Em 3 de Fevereiro de 1940 inauguraria um salão próprio para bailes

Em 31 de Julho de 1940 tem lugar a última sessão de fados nas instalações da Avenida da Liberdade, com a fadista Berta Cardoso, tendo inaugurado as suas novas instalações na Travessa da Queimada, no Bairro Alto, em 18 de Janeiro de 1941, com a designação de “Cervejaria Luso”.

31 de Julho de 1940

Capa de “LP” de Amália Rodrigues” gravado no “Café Luso”

18 de Janeiro de 1941

22 de Janeiro de 1941

A “Cervejaria Luso” viria a ocupar as antigas adegas e cocheiras do Palácio de São Roque, - edifício sobrevivente do terramoto de 1 de Novembro de 1755 - e sob a direcção artística do «cantador» Filipe Pinto e com a sua sala de espectáculos profissional e bem equipada, ficou historicamente marcada por figuras como Amália Rodrigues, Alfredo Marceneiro e tantos outros.

11 de Maio de 1954

“Luso” actualmente

 

 

Depois de modernizado o “Luso”, nos anos 90 do século XX, e gerido por João Pedro Ferreira Borges e seus sócios, tem-se mantido entre as casas de fado mais importantes e de referência de Lisboa.

Foto actual do edifício na Avenida da Liberdade onde se instalou, no 131 e três montras seguintes, “Café Luso” em 1927

fotos in: Museu do Fado, Hemeroteca Digital, Arquivo Municipal de Lisboa, Luso

4 comentários:

MLisboa disse...

Excelente!

José Leite disse...

MLisboa,

Grato pela amabilidade do seu comentário.

Cumprimentos

José Leite

Julieta Estrela disse...

Adorei recordar, estas fotos fizeram-me voltar a traz muitos anos quando ganhei um concurso em 1955 fiz parte do elenco.

Muito obrigada

Julieta Estrela

José Leite disse...

D. Julieta

Eu é que agradeço o seu comentário

Os meus cumprimentos
José Leite