29 de dezembro de 2013

Pastelaria “Versailles”

Em 25 de Novembro de 1922 era inaugurada a "Patisserie Versailles", na Avenida da República, 15-A, no bairro da "Avenidas Novas" em Lisboa, e propriedade da firma “Antunes & Vinhais, Lda.” cujos sócios eram Salvador José Antunes  e José Monteiro Vinhais.

“Patisserie Versailles” nos anos 20 do século XX

              Salvador José  Antunes                                                       Anúncio em “A Capital”

        

A “Patisserie Versailles” ocupou a loja do edifício mandado construir, em 1919,  por João Antunes Lopes e projectado pelo arquitecto Manuel Norte Júnior. O edifício foi construído por José Tomás de Sousa.

No dia seguinte à inauguração o jornal “Diário de Lisboa” escrevia:

«É verdadeiramente notavel a nova casa de chá. Desde os lindos quadros do pintor Bemvindo Ceia, evocando os lagos maravilhososo de Versailles, até aos belos trabalhos de talha do construtor Fausto Fernandes, toda ela está rigorosamente no estilo de Luís XV.
A Patisserie Versailles, além de pastelaria, a cargo do conhecido pasteleiro madrileno Mariano Rey e do serviço de chá e de charcuterie, está plenamente habilitada ao fornecimento de qualquer serviço para fóra, para soirées, casamentos, etc. Assim qualquer pessoa que queira dar uma festa em sua casa será prontamente servida, sem as demoras que teria, não existindo no bairro tal estabelecimento.
O arquitecto Norte Junior, que delineou, de acordo com o sr. Salvador José Antunes, todo o plano, é digno dos maiores elogios. A «Patisserie Versailles» ficou sendo, de todos os estabelecimentos do genero, o melhor da capital e dos melhores da peninsula.»

1932

Exterior da “Versailles” e quarteirão na Avenida da República onde está inserida

 

Interiores da “Versailles” em 1978

 

O nome de “Patisserie Versailles”, manteve-se até 1926, ano em que foram proibidas designações com palavras estrangeiras. A “Versailles”, teve, desde início, fabrico próprio de bombons e de amêndoas, assim como vasto sortido de tabletes de chocolate, adquiridas nas melhores fábricas de chocolates do país.

«Este estabelecimento, além de pastelaria, de “charcuterie” e do serviço de chá, encarrega-se de qualquer serviço de casamento, “soirée”, etc. Basta para isso tocar para o 3219 Central.»

Edifício da “Versailles” antes da sua restauração em 1987

Em 1985 são efectuadas obras de alteração na pastelaria, adaptando a “Versailles”  a restaurante e salão de chá, com restauro das pinturas e ornamentação. Substitui os balcões por um corrido, e  instala de novas mesas e cadeiras na parte sobrelevada da sala, revestindo o seu pavimento com carpete. Cria, igualmente, novas instalações sanitárias, revestidas a mármore.

 

 

Detalhes da decoração interior

 

 

 

Em 1987 a proprietária do edifício, D. Angélica Nogueira das Neves,  transforma o mesmo em regime de propriedade horizontal, e em 2004 são efectuadas obras de recuperação da fachada principal, com reboco e pintura a amarelo, limpeza das cantarias e reparação dos gradeamentos.

     

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa, Hemeroteca Digital, Lisboa, Pastelaria Versailles

8 comentários:

jmsc disse...

Meu caro, José Leite:
Muito obrigado por mais este interessante post sobre a .
Será possível encontrar alguma foto do café Londres na Praça de Londres, frente ao Ministério da Segurança Social? Há poucos dias houve alguma polémica sobre o assunto no blogue Bic Laranja.
Desejo-lhe muita inspiração e felicidades no ano de 2014.
João Cotrim

José Leite disse...

Caro João Cotrim

O que aconteceu no belíssimo blog amigo "Bic Laranja", que sigo há alguns anos, não chegou de modo algum a ser polémica mas sim apenas esclarecimentos ... :)

Quanto à foto que me solicita do "Café Londres", já a tive mas sinceramente, e infelizmente, a perdi. Já corri "seca e Meca" e não encontrei mais nenhuma infelizmente.

Mas na 1ª foto do canto da Praça de Londres (não a do "Café de Paris") que o confrade "Bic Laranja" publicou, se a a ampliar ao máximo, poderá observar o reclamo luminoso, sua porta giratória, tabacaria anexa muito em voga na época dos grandes cafés de Lisboa.

Aliás gostaria de elaborar um artigo, pequeno que fosse, mas falta-me informação e imagens.

Problema do costume ... Só sei que foi projectado pelo arquitecto Cassiano Branco, assim como o prédio (projecto de 1951), e deverá ter sido inaugurado em 1957 ano de conclusão do edifício

Ainda me lembro dele a funcionar e quão importante para a zona.

Os meus agradecimentos, retribuindo os seus votos de Bom Ano de 2014 para si e sua família.

Os meus cumprimentos

José Leite

Manuel Tomaz disse...

Memórias de uma Lisboa que tende a desaparecer...
Os meus cumprimentos, Sr. José Leite, e um bom 2014.
Manuel Tomaz

José Leite disse...

Caro Sr. Manuel Tomaz

Grato pelo seu comentário.

Retribuo a gentileza dos seus votos para 2014, que retribuo extensível à sua família. Um feliz Ano de 2014

Os meus cumprimentos

José Leite

Graça Sampaio disse...

Que lindo, caro José Leite! Sempre gostei muito de ir lanchar à Versailles bem como à saudosa Colombo em frente. Saudades da minha Lisboa (de outras eras) que deixei há já tantos anos.

Continuo a vir aqui sempre que há novidades e gosto sempre muito!

Aprecio muito o seu trabalho que também agradeço.

Bom Ano!

Graça

José Leite disse...

D. Graça Sampaio

Como sempre gentil e generosa nos seus comentários.

Muito grato pelo seu comentário.

Desejo a si e à sua família um Feliz Ano de 2014.

Cumprimentos

José Leite

Jokka disse...

Em frente havia uma outra excelente pastelaria a Colombo entretanto fechada para dar lugar a uma fastfood. Que saudades de vir da escola há quase 60 anos e lá comer um excelente bolinho

Unknown disse...


Um espaço que faz parte das minhas memórias de infância falamos de anos 50 os lanches
com minha avó. Tal como como a Colombo... da Sra D. Graça Sampaio creio que já nos cruzamos em sua casa com essa mesma avó não morava junto a esta mesma Versailles?


Muito obrigada por este apontamento

Teresa Pessanha