14 de março de 2012

Cinema Alvalade

O cinema “Alvalade”, uma das antigas grandes salas de cinema de Lisboa, situava-se no Bairro de Alvalade, na esquina da Avenida de Roma com a Rua Luís Augusto Palmeirim. Projectado pelos arquitectos Lima Franco e Filipe de Figueiredo em 1945 a quando da construção do Bairro de Alvalade, foi inaugurado em 8 de Dezembro de 1953.

Tinha capacidade para 1.485 espectadores distribuídos por 766 na plateia, 229 nas tribunas, 212 no 1º balcão e 278 no 2º balcão. Dispunha de 5 «foyers» três dos quais providos de bares.

O cinema “Alvalade” abriu as suas portas com o filme brasileiro “O Cangaceiro”, ao qual assistiu o embaixador do Brasil em Portugal no dia da inauguração.

 

A parede do foyer do cinema junto às escadarias para os balcões superiores foi decorada com uma obra da pintora Estrela Faria.

 


bilhete gentilmente cedido por Carlos Caria

Encerrado, em 1985, foi arrendado pela “Igreja Universal do Reino de Deus” até ao ano 2000. Depois de anos votado ao abandono, foi iniciada a sua demolição em 2003.

No seu lugar viria a ser erguido um edifício de oito pisos, com projecto do arquitecto Rui Rosa destinado a habitação ( “Holywwod Residence”  ), escritórios e com uma zona de diversão onde existem 4 salas de cinema, com capacidade total de 381 espectadores, um bar, lojas e estacionamento automóvel. A abertura deste espaço ocorreu a 22 de Janeiro de 2009.

                               “Holywwod Residence”                                       Hall de entrada da zona de café e cinemas

        

Quanto ao espaço de cinema designado de “Cinema City Classic Alvalade” é composto por 4 salas com a s seguintes capacidades: Sala1: 100 lugares; Sala 2: 89 lugares; Sala 3: 112 Lugares e sala 4: 80 lugares. A pintura de Estrela Faria foi restaurada e reposta no mesmo lugar que ocupava no antigo edifício.

                                              Sala 1                                                                                 Sala 2

        

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian

Sem comentários: