5 de novembro de 2017

Antigo Retiro Quebra Bilhas

O “Retiro Quebra Bilhas”, terá aberto as suas portas em 1793, no actual Campo Grande Oriental. Nessa altura «fora de portas» incluía-se no roteiro dos restaurantes modestos nas hortas dos arrabaldes de Lisboa.

1941

8 de Julho de 1900

1941

Situado num dos mais característicos arrabaldes da cidade oitocentista onde vicejavam quintas e hortas, e incluído na área administrativa da Câmara do efémero concelho dos Olivais, tendo a dois passos o palácio dos Marqueses de Valença e Condes de Vimioso e a igreja dos Santos Reis Magos, o “Quebra Bilhas” surgiu na quinta do mesmo nome (de que resta apenas uma reduzida parcela de terreno de cultivo) como um dos mais rústicos retiros de fora de portas. Seria inicialmente um telheiro sob o qual os pipos de vinho alinhados, as toscas mesas, os bancos corridos e a cozinha, improvisada atrás do balcão forrado talvez de zinco, compunham o cenário. Em alturas de pândegas ruidosas, os pés grosseiramente calçados dos dançarinos e batedores do fado levantavam núvens de poeira do chão de terra batida e o mosquedo atrevido zumbia e voejava infrene em torno da clientela tressuada de um vago bolieiro alcunhado o «Quebra Bilhas», que segundo a tradição teria sido o fundador do retiro, posteriormente beneficiado com a construção do modesto edifício de pedra e cal.

«O Quebra-Bilhas era o único antigo retiro lisboeta com o quintalão a funcionar, como era habitual nestas casas», referiu o olissipógrafo Carlos Consiglieri. «Ficava junto à Estrada Real, que era a saída de Lisboa pelo Lumiar e um local de esperas de gado que ia para a praça de touros do Campo de Santana e, depois, para a do Campo Pequeno. Fazia parte de um núcleo de restaurantes muito popular, de que subsiste ainda o “Entre Copos”, que foi muito frequentado por operários da CP.»

Localização do “Retiro Quebra Bilhas”, no Campo Grande (Oriental) e dentro das elipses desenhadas

 

O percurso em que se encontrava o “Quebra Bilhas”, conhecido por caminho dos toiros pelo facto de ser por este que estes percorriam acompanhados por campinos a cavalo desde as Marnotas até à Praça do Campo de Sant’Anna, que D. Miguel e a Infanta D. Maria da Assunção haviam inaugurado em 3 de Julho de 1831, tornou-se por isso um dos preferidos para o negócio de comes e bebes, particularmente rendoso em noites de esperas.

O ”Quebra-Bilhas” era sobretudo frequentado por fidalgotes e burgueses. «A Severa lá cantarolava o seu reportório decotada com um impudor feliz e batia o fado ao som da Banda de Sousa do Casacão, desde o escurecer até que, às duas da noite, o gado pegava de sair para a praça do Campo de Sant’Anna. - Não é essa Lisboa boémia, fadista e zaragateira, que um certo romantismo do passado nos legou, que vamos encontrar no Quebra-Bilhas de hoje. Não haverá "tipóias", nem capote-e-lenço, nem alcatruzes da nora. Mas ainda lá estão os caramanchões de trepadeiras e fartas ramadas de videiras a proteger toscas e improvisadas mesas onde os canjirões de vinho disputam lugares de primazia ". in: “História do Fado” de Pinto de Carvalho (Tinop), 1903

Entretanto, em 10 de Junho de 1898 um concorrente se perfilava …


                                               1959                                                                                          1960

  

Cartão

«Nas suas succedaneas de 1816, já se guitarreava o fado, como succedia na Horta das Tripas, no Escoveiro (á Cova da Piedade), no Ezequiel do Dáfundo, no Miséria da estrada de Pallhavã. na Viteileira da travessa dos Carros, na Itabicha, no Campo Pequeno, no Arco do Cego, na Madre de Deus e no Beato Antonio. E esta tradição do fado manteve se nas hortas das epochas posteriores: José da Bateira, Antonio das Noras, em Arroyos, Quintalinho da travessa do Pintor, Theotonio
da calçada de Carriche ou Nova Cintra (onde se ia em burricadas), a Joanna do Collele encarnido, no lado oriental do Campo Grande (que passou depois para a azinhaga da Torre, no Lumiar) Cá e lá. Jose Gallinheiro. Joaquim dos Melões, na Oulra-Banda, Arieiro, Jose dos Pacatos, retiro do Pardal, nas terras da Casa da Polvora, Salgado do Arco do Cego, Videira do Campo-Grande, a tendinha do Campo, Jose dos Passarinhos, em Alcantara, as Varandas, ao Caminho de Ferro,
Jose dos Caracoes, no Campo Grande, Luiz Gaspar, na estrada das Mouras, Esparteiro do Alto do Pina, Pacatos Velhos, o Rouxinol, nos Terramotos, Quinta do Ferro de Engommar; e, mais recentemente, Pedro da Porcalhota, Cazimiro do Poço dos Mouros, Bazalisa. Quinta do Papagaio. Quinta das Águias, as Leiteiras, Jose Azeiteiro, o Quebra-Bilhas, no Campo Grande, e Jose Roque, de Palhavã. (…)

Hortas.1.1 Hortas.1

Retiro do Caliça em 1904, na Estrada dos Salgados. Ao fundo o cemitério de Benfica

 

Retiro do “Perna de Pau” na Estrada de Sacavém e o “Retiro Manuel dos Passarinhos” na Calçada do Poço dos Mouros

 

“Retiro Bernardino Cordeiro” outro retiro em Algés e em 1961

 

Entre 1860 a 1880 figuraram como cantadores do Fado: José Borrègo, José Pettiz, José Maria Enguia, José Carlos, Saldanha da Porcalhota, José Maior, José Montaurino, Caetano, o Calcinhas, João Campanudo, José Bento d'Oliveira, Patusquinho, etc. » in: “Historia do Fado”, de Pinto de Carvalho (Tinop).

Do livro “Estoina e Estoinices; ruína e morte do Conde de Farrobo”, de Eduardo de Noronha em 1922

 

A seguir excerto da letra do Fado “As Hortas” :

As Hortas

Aos domingos, á tardinha
Quem não sae fóra de Portas,
Não conhece a felicidade
De comer peixe nas hortas

A gente cá de Lisboa
Gosta sempre, aos dias santos,
De se metter pelos cantos,
Comendo e bebendo á tôa;
Petisqueira toda boa
Procura a nossa gentinha:
Come pescada ou sardinha,
com a maior alegria:
P'ras hortas ha romaria
Aos domingos , à tardinha

(…)  in: "A triste canção do sul” (Subsídios para a história do fado), de Alberto Pimentel em 1904

Ah! Fadista …

Em tempos mais recentes, a antiga casa de pasto foi frequentada por figuras conhecidas da política, do espectáculo ou da Cidade Universitária que lhe ficava próxima e do lado oposto do Campo Grande. O actor Vasco Santana ou o geógrafo Orlando Ribeiro costumavam aparecer por lá.

“Antigo Retiro Quebra Bilhas” antes de fechar definitivamente

     

     

Em 17 de Abril de 1987, José Quitério escrevia no jornal “Expresso” :

O Quebra Bilhas «mantém muito do seu encanto de outras idades. O largo portão verde, fronteiro ao plácido plátano, abre para o primeiro compartimento, onde, a par da cozinha, se conserva felizmente um daqueles belos balcões das tabernas antigas, todo corrido e de mármore, e duas largas mesas . (...) Outra sala, mais convencionalmente a refeiçoar, oferece uma simplicidade airosa revestida de artefactos de sabor caseiro. Grande, grande é o quintal-esplanada, de chão empedrado, abrigado por generosos toldos de parreiras e árvores de forte porte, local único e riqueza inestimável para o tempo ameno, daqueles recantos que parecem terem sido feitos, e são eleitos, para os prazeres da mesa, da bebida e do convívio»

O “Antigo Retiro Quebra Bilhas”,  encerrou em Abril de 2006 ficando assim devoluto o prédio cujo andar térreo ocupava.

Reinaldo Caldeira, seu último proprietário comentava ao jornal “Público”: «É um final que não me agrada. Ainda tentei trespassar a casa a uma empregada para que se mantivesse em actividade, mas levantaram-se questões complicadas com o direito de preferência do senhorio, a cujas mãos a casa voltou. Cheguei a andar em tribunal, mas foi para evitar a continuação de um processo, que me foi bastante penoso, que se chegou a este resultado. Há situações que são inultrapassáveis»

O dono do edifício é o “Centro Cultural do Campo Grande”, ex- “Sociedade Lusitana de Cultura” uma instituição da “Opus Dei”, sediado no Palacete Beltrão - que pertenceu a Fausto de Figueiredo e vendido, em 1979, pelos seus herdeiros, à “Sociedade Lusitana de Cultura” -  contíguo ao restaurante. Quanto ao futuro do edifício do “Quebra Bilhas” uma incógnita.

Bibliografia: além dos livros mencionados nas transcrições de textos, foi consultado o site “Jornal da Parceta

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa, Hemeroteca Digital, Biblioteca Nacional Digital, Jornal da Parceta

8 comentários:

Bic Laranja disse...

Inspirador.

José Leite disse...

Grato pelo comentário

Cumprimentos

António José disse...

Bem haja pela divulgação de tão importante documentário !
Bem sublime, os conteúdos deste Blogue ! Os meus parabéns !

José Leite disse...

Caro António José

Muito obrigado pela gentileza das suas palavras.

Os meus cumprimentos

Ambitare.com disse...

Muito bom.

Sabe-me dizer se por meados dos anos 60 o proprietário se chamava Adriano?

José Leite disse...

Grato pelo seu comentário.

Não lhe sei responder, já que consegui obter muito mais dados históricos antigos, que mais recentes, isto é desde a segunda metade do século XX.

Os meus cumprimentos

APS disse...

Caro amigo José Leite

Gostei do seu trabalho... assim ficaram juntos num só artigo, vários "RETIROS DE LISBOA".

Aquele livro de "ESTROINAS E ESTROINICES" deve ser muito curioso! (Também faz referência à MADRE DE DEUS, BEATO e ao JOSÉ DA BATEIRA de "XABREGAS").

Um abraço
APS

José Leite disse...

Amigo Agostinho Sobreira

Agradecido pelo seu comentário, sempre amável.

Ainda publicarei outro artigo, já elaborado, acerca do Retiro "Ferro de Engomar".

Mais um Retiro histórico.

Abraço

José Leite