11 de setembro de 2016

Pastelaria Ferrari

A pastelaria e confeitaria "Maison Ferrari" ou “Casa Ferrari” foi fundada por Mathias Ferrari, em 1846, na Rua Nova do Almada, em Lisboa. Mathias Gonçalo Ferrari era filho do genovez Hilario Arcanjo da Cruz Ferrari, conserveiro, que em 1821 se estabeleceu numa casa que mais tarde viria a ser demolida para no seu lugar ser construído o Palácio Ribeiro da Cunha, à Patriarchal Queimada, actual Praça do Príncipe Real.

Pastelaria Ferrari

24 de Dezembro de 1890

1903

1903 Conservaria Italiana

Hilario Ferrari tendo exercido «altas funções» de cabo de polícia, quando os liberais entraram em Lisboa, em 24 de Julho de 1833, este e sua mulher tiveram de fugir para Elvas. De volta a Lisboa encontraram a casa reduzida a cinzas. Crê-se que chegou a reedifica-la e que terá sido a partir desta, que seu filho Mathias Ferrari foi para a Rua Nova do Almada.

Mathias Ferrari estabeleceu-se na Rua Nova do Almada, em 1846, na loja onde estivera a modista Madame Olivier Botto, «tão notavel confeiçoadora de toilettes como Madame Justine, na mesma rua».

Mathias Gonçalo Ferrari

Segundo Luís Pastor de Macedo, Mathias Ferrari  teve o sonho de «conseguir mediante a perfeição do serviço exclusivo do fornecimento dos grandes jantares, dos lanches, das ceias e dos vários púcaros de água que se dessem em Lisboa». Sendo a confeitaria mais famosa de Lisboa, a "Maison Ferrari" forneceria durante anos os botequins do "Teatro Nacional de S. Carlos", tendo requerido, em 1857, ao ministério do Reino para que  modificassem as condições de preço pro que os arrematar. Era igualmente fornecedora da Casa Real e do “Marrare do Polimento”. De referir que, este botequim devia o seu nome ao seu fundador Antonio Marrare e “Polimento” pelo facto de até certa altura as suas paredes serem forradas por madeira polida e que nas palavras de Henrique Lopes de Mendonça, tinha as paredes forradas de «uma facha de pau polido, que o Marrare inventara para deposito de todo o macassar e pomada de urso, com que os coiffeurs ungem a cabeça dos seus freguezes».Tendo aberto as suas portas por volta de 1824, era o mais famoso de Lisboa, também apelidado do «príncipe dos botequins» ou «café do bom tom».

Interior da “Pastelaria Ferrari” nos anos 80 dos século XX

Pastelaria Ferrari.5

 

Publicidade no “I Salão Automóvel de Lisboa” de 1935

Com a morte de Mathias Ferrari em 1885 a “Pastelaria Ferrari” passa para a propriedade da sua sobrinha que, por sua vez, a legaria ao funcionário de balcão, João Luiz Pereira, em 1904. Em 1907 a “Casa Ferrari” é adquirida, por José Joaquim Correia d’Oliveira que a reabre em 7 de Abril de 1907. Em 1908, seria vendida em leilão ao proprietário da “Pastelaria Pomona” (“Conservaria Pomona de Lisboa”) na Rua da Prata, José d’Alcobia (ex caixeiro da “Confeitaria Rosa Araújo”), que a reabre em 22 de Dezembro de 1908. Em 1928, passaria para as mãos de Alfredo Araújo Mourão, e posteriormente herdada por sua filha Albertina Sá Mourão.

                                             1904                                                                                         1905

    

1905

1907

                                            1908                                                                                         1922

   

Com o grande incêndio do Chiado de 25 de Agosto de 1988, a “Pastelaria Ferrari” seria totalmente consumida pelo fogo. Ainda viria a ter umas instalações provisórias repartidas entre um edifício das Escadinhas de São Francisco e uns fundos da “Pastelaria Marques na Rua Garrett, mas acabaria por desaparecer em definitivo.

“Pastelaria Ferrari” (com o letreiro luminoso direito e tombado) à esquerda nas fotos durante e após o incêndio

 

O que restou …

Em Agosto de 2014, abriu uma “Pastelaria Ferrari” na Rua Augusta que de igual só tinha o nome, mas, passado pouco tempo, decerto que foi obrigada a mudar o nome por o antigo nome ainda estar com o registo válido, para “Pastelaria Ferrary” (!!!). Aqui ficam as fotos com os dois nomes.

                                      “Ferrari”                                                                                  “Ferrary”

 

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian (estúdio Mário Novais), Hemeroteca Digital, Lisboa Desaparecida de Marina Tavares Dias

4 comentários:

tron disse...

Há pouco tempo abriu uma "nova" Ferrari na Rua Augusta e não sei porque raio meteram um Y no lugar do I final

José Leite disse...

Grato pela sua informação adicional.

Não só não sabia da sua existência, como este nome "Ferrary" ( com y !!!!)

Decerto que foram obrigados a alterar a designação por o registo da marca "Pastelaria Ferrari" ainda estar activo.

Para não alterarem totalmente o nome, a sempre prodigiosa imaginação do português mais uma vez funcionou ... desta vez para pior.

Os meus cumprimentos

terezinha disse...

Sim, concordo, para muito pior!

terezinha disse...

Concordo, para muito pior!