30 de setembro de 2015

Casino da Ericeira

O “Grande Casino” da Ericeira abriu as suas portas em 1919, e propriedade do empresário Joaquim Ferreira possuidor de casas de jogo de roleta, oferendo, além da roleta, jogos de banca francesa e outros jogos de fortuna ou de azar.

A sua origem remonta ao ano de 1861, em que é inaugurado o “Clube Recreativo Ericeirense”, instalado no piso térreo do edifício mandado construir por Francisco José da Silva Ericeira, que inicialmente funcionava apenas na época balnear com saraus musicais de grande nível que atraiam a aristocracia e a classe média.

Este edifício é, entretanto, adquirido e transformado no “Grande Casino”, em 1919, pelo empresário Joaquim Ferreira oferecendo como uma das novidades o serviço de restaurante, dirigido por um maître d´Hotel de Lisboa, que se propunha a realizar concertos e matinées, aos domingos e quintas-feira.

A este primeiro Casino, relativamente modesto, sucedeu-se um segundo, em 1924. Decorado com interiores de luxo e grande riqueza arquitectónica era palco da celebração do inicio (Julho) e fecho (finais de Outubro) da época balnear com concertos, números de variedades e bailes. Durante o mês de Setembro realizavam-se chás dançantes frequentados pela elite  da colónia balnear espanhola. O serviço de restaurante esmerava-se com almoços-concertos., existindo ainda uma pensão-hotel anexa ao “Grande Casino”.

O “Grande Casino” da Ericeira é então fechado, em 1927, por decreto governamental  que atribuía o monopólio do jogo, no distrito de Lisboa, ao Casino Estoril”. Como forma de recuperar o seu investimento, o empresário Joaquim Ferreira, optou então por transformar o “Grande Casino” em “Cine-Casino” da Ericeira, mantendo ainda durante muito tempo o restaurante a funcionar no salão do primeiro andar. Nos primeiros tempos, apenas havia sessão no Verão e só mais tarde é que passou a haver matinés aos fins-de-semana de inverno.

Durante os anos 30  e 40 do século XX, o "Casino" - restou o nome - servia de rádio pública, na medida em que emitia para o exterior músicas populares antes do inicio de cada sessão. Essa música, a que as pessoas chamavam de o "sonoro do Casino", serviu como contributo músico-cultural quase único na época, porquanto o rádio era um luxo a que poucos acediam. Até aos anos 60 do século XX, eram exibidas revistas ao estilo doParque Mayer”, pela altura do encerramento da época balnear, havendo soireés dançantes durante o Verão, e em dias alternados com as sessões de cinema até ao surgimento das boîtes e discotecas. O “Cine-Casino” não se limitava a servir as elites, e por altura do Carnaval, acorriam gentes de todas as classes sociais, sem distinção.

Depois de ter encerrado no final da década de 70 do século XX, foi adquirido pela Câmara Municipal de Mafra e transformado em “Casa de Cultura Jaime Lobo e Silva”.  Viria a ser remodelado de raiz  entre os anos de 1989 e 1993, de uma forma que surpreendeu os mais cépticos que não acreditavam na sua reconstrução genuína. Actualmente, a “Casa da Cultura Jaime Lobo e Silva”, está equipada com uma biblioteca pública, com mais de 17.000 obras. Neste espaço encontram uma sala de leitura, espaço infantil, sala multimédia com acesso gratuito à Internet e um espaço audio-visual. Ainda neste edifício, existe um anfiteatro moderno que recebe varias apresentações teatrais.

“Casa de Cultura Jaime Lobo e Silva”

 

Casino da Ericeira.12 

Bibliografia: grande parte do texto foi baseado e adaptado a partir de um artigo no blog Ericeira +, acerca deste Casino.

fotos in: Delcampe.net

29 de setembro de 2015

Caminhos de Ferro Portugueses (20)

Comboio em Vila do Conde

Comboios em Tanha e na Estação de Carrazedo

 

Estação da Régua

Comboio atravessando o Douro na Régua

27 de setembro de 2015

Caixa de Previdência do Comércio

A “Caixa Sindical de Previdência dos Profissionais do Comércio” foi uma instituição de âmbito nacional que abrangia, no final dos anos 30 do século XX, cerca de 90 mil beneficiários, com sede em Lisboa na esquina da Alameda Afonso Henriques com a Avenida Manuel da Maia.

Edifício-sede da “Caixa Sindical de Previdência dos Profissionais do Comércio”, em Lisboa

Entrada principal

Posto de atendimento ao público na Avenida Manuel da Maia

Por virtude de despachos, datados de 1 de Abril e 1 de Setembro de 1947, operou-se a integração na sua estrutura de numerosas Caixas de Abono de Família. Lembro que o regime do abono de família tinha sido instituído, em Portugal, no ano de 1942, com a publicação do Decreto-Lei 32192, de 13 de Agosto. Portugal era o décimo primeiro país a nível mundial a instituir o regime de abono de família, e o sétimo no conjunto dos países europeus que hoje constituem a União Europeia.

Em 1962 e 1963 eram aprovados os regulamentos gerais das Caixas Sindicais de Previdência, fixando a sua estrutura, funcionamento e esquemas de benefícios, estipulando: que estas se destinassem à proteção dos beneficiários e seus familiares na doença, maternidade e abono de família; que as Caixas de Pensões se destinassem à proteção de beneficiários e seus familiares na invalidez, velhice e morte; e que as Caixas de Seguros que se destinassem à cobertura de riscos especiais.

Interior do edifício-sede da “Caixa Sindical de Previdência dos Profissionais do Comércio”

 

 

 

Para coordenar a ação das Caixas de Previdência e abono de família, seria criada em 1962 uma federação de âmbito nacional designada por “Federação de Caixas de Previdência”, formalizada pela Portaria n.º 22 451, de 13 de Janeiro de 1967.

Edifícios dos serviços médico-sociais da “Federação de Caixas de Previdência”

 

Edifício-sede da “Caixa Sindical de Previdência dos Profissionais do Comércio”, nos anos 40 do século XX

                                             1942                                                                                     1943

   

Exposição em 1950

 

 

A direcção da “Caixa Sindical de Previdência dos Profissionais do Comércio” tinha a obrigação de elaborar e apresentar oportunamente as contas dos exercícios fiscais, as quais depois de aprovadas pelo conselho geral, eram submetidas ao “Instituto Nacional do Trabalho e Previdência”, que era, nos termos da lei, o órgão competente para o seu exame e apreciação.

24 de Dezembro de 1959

Actualmente neste edifício estão instalados serviços da “Segurança Social”

fotos in:  Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian, Biblioteca Nacional Digital

25 de setembro de 2015

Ciclo da Vindima por Artur Pastor

Ao fazer a minha visita diária ao belíssimo blog “Artur Pastor”, - que divulga a obra do fotógrafo Artur Pastor (1922-1999) - deparo-me com várias e  interessantes sequências de fotos.

Hoje, destaco uma sequência de fotos que o blog apelidou de “Vindima”, que retrata o processo desde a colheita da uva até à embalagem da “uva de mesa”, e chegada aos lagares a fim de ser produzido o “precioso néctar”, nos anos 50/60 do século XX.

 

 

 

 

 

Embalagem da “uva de mesa”

 

 

 

Fabrico das pipas

fotos in: Artur Pastor