6 de março de 2015

Cinema Palácio

O Cinema “Palácio”  foi inaugurado na Avenida Duque d’Ávila, em Lisboa, em 24  de Janeiro de 1931. Esta sala de cinema veio substituir o antigo “Trianon Palace” instalado no mesmo edifício.

Entrada do Cinema “Palácio”

“Trianon Palace” foi a primeira designação desta sala de cinema da Avenida Duque de Ávila, nº 45, em Lisboa, mandado construir por Augusto de Ornelas Bruges, cujo público era composto maioritariamente, pelos moradores das Avenidas Novas e dos Bairros de Dona Estefânia e do Arco do Cego, zonas, até então, muito desprovidas de salas de espectáculos.

O “Trianon Palace” apelidado da « mais elegante “boite” de Lisboa realizada por Raúl Lino», com capacidade para 538 espectadores, foi projectado pelo arquitecto Raúl Lino que já tinha sido o responsável pelo Cinema-Teatro “Tivoli”, inaugurado em 1924, e seria inaugurado em 1 de Janeiro de 1930, com os filmes mudos “O Anel da Imperatriz”, e “Viva o Amor !! ”, acompanhados pela orquestra de Carlos de Sá.

31 de Dezembro de 1929

A propósito da inauguração desta nova sala de cinema o “Diario de Lisbôa” escrevia:
«Inaugurou-se ontem o novo cinema Trianon Palace, na Avenida Duque de Avila, com reexibição do primeiro programa do Consortium Sociedade Geral de Filmes (Lisboa) - H. da Costa, (Paris), estreado no S. Luís na ultima semana, e que consta dos filmes "O Anel da Imperatriz" e Viva o Amor!".»

“Consortium Sociedade Geral de Filmes - H. da Costa”  passa a  “Agência Cinematografica H. da Costa, Lda.”, em 1932

Depois do ex-“Trianon” ter sido encerrado para obras de renovação, em que foi contemplado com um novo balcão e dois grupos de frisas, tendo sido aumentada a sua capacidade para 768 espectadores, reabre a 24  de Janeiro de 1931, com a nova denominação de “Palácio” , estreando o filme sonoro de Michael Curtiz “A Arca de Noé”.

A sua inauguração sofreu alguns percalços, conforme a sequência de anúncios seguinte que testemunham. Talvez o título da película escolhida para a sua inauguração inicial tenha trazido mau presságio … a inauguração ficou mesmo “presa” por 17 dias.

              7 de Janeiro de 1931                                8 de Janeiro de 1931                            10 de Janeiro de 1931 

   

                         Finalmente a 22 de Janeiro de 1931                                 A 26 de Janeiro já em pleno funcionamento

 

Considerava-se «a sala mais bonita e mais bem aquecida de Lisboa», passando a assumir uma programação clássica de reprise.

Sala de espectáculos

Cinema Palácio.2.2

  


programa gentilmente cedido por Carlos Caria

Cinema Palácio.3


bilhete gentilmente cedido por Carlos Caria

Recordo que até ao começo da época 1929-1930 o cinema "Ódeon", tinha sido orientado e gerido pela própria empresa proprietária. A partir desse momento e por declaração pública da própria concessionária, anunciada em 2 de Outubro de 1929, a empresa "Salm, Levy Júnior & Cª", passava a ter a seu cargo a direcção do "Odéon", a mesma entidade que estava á frente da "Companhia Cinematográfica de Portugal". Em 1937, a exploração deste cinema passa para as mãos de Vicente Alcântara - ex funcionário da "Companhia Cinematográfica de Portugal" - o qual em 1948 passaria a explorar, também os cinemas "Palácio" e "Royal Cine", cujo anúncio seguinte o testemunha.

Época 1948-1949

1943

Após ter sido trespassado à empresa “Soprocine - Sociedade Proprietária de Cinemas, Lda.”, o cinema “Palácio” , encerrou em 28 de Março de 1955, e foi alvo dum profundo projecto de alterações da autoria do arquitecto  Maurício de Vasconcelos, ficando a construção a cargo de Antero Ferreira, tendo reaberto em 29 de Novembro de 1956, sob a nova denominação: Cinema “AVIS”.

Anúncio conjunto dos cinemas “Odéon” e “Palácio” no dia do encerramento deste último

fotos in: Hemeroteca Digital, Arquivo Municipal de Lisboa, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian

2 comentários:

Anónimo disse...

Agora fica nesse sitio a estrada para o pingo doce (novo prédio).

O prédio que se vê do lado direito ainda existe, onde é/era o restaurante amazonas

José Leite disse...

Caro(a) Anónimo(a)

Grato pelas informações adicionais

Cumprimentos

José Leite