15 de outubro de 2014

Elevador de Santa Justa-Carmo

O “Elevador de Santa Justa”, também chamado de “Elevador do Carmo”, localizado na Rua de Santa Justa, em Lisboa, foi inaugurado em 10 de Julho de 1902, com as presenças de El-Rei D. Carlos I, do director-gerente da empresa concessionária,“Empresa do Elevador do Carmo”, Dr. Silvestre de Almeida, acompanhado de jornalistas e outros convidados, em cerimónia presidida pelo secretário-geral do Governo Civil, Dr. Alberto Cardoso de Menezes.

 

Rua de Santa Justa nos anos 40 do século XX

Cronologia até à sua inauguração em 1902:

1 de Junho de 1882 - licença a Raul Mesnier para construir e explorar diversos planos inclinados, movidos por tracção mecânica, na cidade de Lisboa, após requerimento apresentado no mês anterior, na qualidade de representante e fundador da Companhia dos Ascensores Mecânicos de Lisboa;
1896 - Raul Mesnier fez um pedido de concessão de um ascensor a estabelecer nas Escadinhas de Santa Justa, pedido que Henry Lusseau contestou. Pela mesma altura foi feito um pedido aos Serviços de Obras da Câmara para que a escritura fosse realizada. Concessão da autorização municipal para a construção e exploração do elevador a Raul Mesnier du Ponsard;

1899 - concessão da licença provisória para a construção do elevador; fundação da sociedade “Empresa do Elevador do Carmo” (constituída por Raul Mesnier du Ponsard, pelo médico cirurgião João Silvestre de Almeida e pelo marquês de Praia e Monforte, António Borges de Medeiros Dias da Câmara e Sousa) com vista a assegurar a exploração do elevador por um período de 99 anos;

Primeira e última páginas do contrato de concessão

 

Para consultar o documento completo aceder ao seguinte link no AML: Contrato de Concessão

1900 - celebração do contrato entre a C.M.L. e a “Empresa do Elevador do Carmo” (extinta em 1939), pelo qual esta sociedade se comprometia a apresentar um projecto para a construção do elevador num período de 6 meses; dá-se início aos trabalhos com vista à construção do elevador, tendo a empreitada da construção metálica sido entregue à empresa “Cardoso D'Argent & Cia.” (fundada em 1897) com fábrica em Lisboa, na Junqueira; o seu fundador, Manuel Cardoso, tinha já sido encarregado das oficinas da firma “Empresa Industrial Portuguesa” e foi, também o encarregado das oficinas do Elevador de Santa Justa; remoção de terras no local da implantação (as Escadinhas de Santa Justa), onde ficaram as fundações da casa das máquinas, no dia 2 de Julho do mesmo ano;

Gravura do projecto em Março de 1897

1901- inauguração da ponte metálica, na presença de El-Rei D. Carlos I, membros da “Empresa do Elevador do Carmo”, Raul Mesnier du Ponsard, altas individualidades e jornalistas;
10 de Julho de 1902 - inauguração do ascensor, com a presença de El-Rei D. Carlos I, do director-gerente da empresa concessionária, Dr. Silvestre de Almeida, acompanhado de jornalistas e outros convidados, em cerimónia presidida pelo secretário-geral do Governo Civil, dr. Alberto Cardoso de Menezes
Nota: cronologia in: “SIPA - Sistema de Informação para o Património Arquitectónico”

As colinas que marcam a paisagem de Lisboa apresentavam-se, no século XIX, como um problema real em termos de acessibilidade para a população da capital, que então se deslocava a pé ou em carruagens puxadas por animais. A partir de 1874 foram vários os projectos de locomoção mecânica apresentados à Câmara Municipal de Lisboa, e em 1882 o engenheiro Raul Mesnier du Ponsard, como já foi anteriormente referido,  recebeu da vereação uma licença para "construir e explorar" vários elevadores na cidade, movidos a tracção mecânica.

1908

No dia 11 de Julho de 1902, o jornal “Diario Illustrado” descrevia deste modo a inauguração:

«Era meio-dia quando se fez hontem a experiencia definitiva com o elevador de Santa Justa.
Muita gente nas ruas do Ouro e do Carmo. As «cabines» encheram-se de convidados e representantes da imprensa. Dada a ordem para funccionar o machinismo, fez-se a ascensão suavemente, sem balanços nem attrictos, n'um minuto. Depois d'esta prova esperou-se peal auctoridade superior do districto. Effectivamente, um quarto depois do meio-dia, chegava o sr. dr. Alberto Cardoso de Menezes, secretario geral do governo civil, porque, como se sabe, o sr. dr.. Pereira da Cunha se acha ausente. N'essa occasião, a musica executou o hymno nacional, subindo ao ar girandolas de foguetes.
E assim ficou inaugurado o elevador de Santa Justa.
Aos convidados e aos representantes da imprensa foi servido um delicado copo d'agua na barraca de campanha armada no terraço. Houve brindes á imprensa, á prosperidade do elevador, aos constructores, especialmente a Raul Mesnier, que demonstrou mais uma vez a sua superior competencia n'esse arrojo de mechanica.
O elevador doi aberto ao publico pelas 2 horas da tarde. Venderam-se mais de 3:000 bilhetes, o que se explica pela anciedade do publico, avido de gozar o esplendido panorama que se disfructa do alto d'essa elegante torre de ferro.
Á noite a banda tocou novamente no terraço desde as 8 horas até Á meia-noite.
O serviço de elevador começa ás 7 horas da manhã e termina á 1 da madrugada.
Boa fortuna.»

Arcobotante na passagem superior do Largo do Carmo para o “Elevador de Santa Justa” 

  Arcobotante na passagem superior do largo do Carmo para o elevador de Santa Justa

Entretanto e no mesmo dia outro jornal, “A Vanguarda” relatava:

«Enorme multidão se agglomerava em todas as ruas proximas, nas janellas e até sobre os telhados, e d'onde os gatos tiveram que fugir, porque até creanças e velhas corriam telhas acima, cheias de curiosidade, para nos ver passar, mais acima ainda!... (…)
Os preços da carreira são: subida, 20 réis; descida, 10 réis.
O «viaducto» e o «terrasse» vão ser cobertos com armadura metallica e revestimento envidraçado. Tambem e no pavimento ultimo do predio da rua do Carmo, sobre que assenta o «terrasse», vae ser montado um luxuoso restaurant.»

Restaurante

No dia seguinte, 12 de Julho, o jornal “Diario Illustrado” , ainda a propósito do “Elevador de Santa Justa”, escrevia:

«Agora um rapido olhar acerca do ascensor.
As cabines comportam 30 passageiros cada uma. O trabalho de marcenaria, imitação de vieuxchêne, estylo gothico, foi executada nas officinas de Frederico Augusto Ribeiro.
Cada uma das cabines tem oito vitraes, todos differentes, feitos especialmente em Paris, e, além d'isso, dois grandes espelhos. A illuminação deve ser feita por um florão central com quatro tulipas electricas.
O cabo é de aço, com o diametro de 55 millimetros e o seu peso representa 10 Kilos por metro.
As machinas são da força de 12 cavallos, podendo trabalhar juntas ou separadas. Transmittem o movimento a um guincho que por sua vez põe em acção as cabines por meio de 4 correntes galles montadas n'um só eixo.
O cabo resiste a 113:000 kilos e as correntes a 9:500.
O peso maximo que terão de supportar está calculado em 6:000 kilos. Os volantes das machinas dão 129 voltas por minuto.
As machinas foram construidas na casa A.Piat, Paris.
Na terrasse diz-se que a firma Jansen estabelecerá concertos e magnificos jantares o que deve attrahir enorme concorrencia.»

 

   

Passe para 1931


gentilmente cedido por Carlos Caria

Mas como nestas coisas existe sempre a visão crítica, a revista “Occidente” no seu número de 20 de Julho de 1902 argumentava:

«A muitos pareceu arrojada esta obra, ou antes, inexequivel; nós só diremos que é pena tanto exforço e tanta sciencia dispendida para um resultado pratico relativamente medíocre.
O talento de Raul Mesnier, do que já se pode considerar uma gloria de engenharia portugueza, era bem melhor empregado em obra de mais largo folgo, de mais pratica utilidade. (...)
Raul Mesnier excede a craveira d'essa actividade convencional. Ai! quanto lhe terá custado a vencer.
Até parece loucura; mas com estes loucos é que se progride; é que se desenvolve; é que se sae do marasmo, se multiplicam as forças e alarga o trabalho, de que as sociedades precisam para a sua riqueza, para o seu bem estar.(…)
De uma coisa discordamos e é, vermos, n'estas construções do nosso tempo, aplicar na parte architectonica os estylos de tempos idos, que nada teem a ver com estes edificios inteiramente modernos na concepção e aspirações que vem satisfazer.»

O “Elevador de Santa Justa”, classificado como Monumento Nacional desde 2002, é actualmente um dos poucos exemplares de arquitectura do ferro que existe em Lisboa, tendo um profundo impacto no urbanismo da baixa da cidade, não só pela sua implantação vertical mas também pela ornamentação rica e exuberante que define a estrutura metálica, repleta de arcos de gosto neogótico. O sistema elevatório é constituído por duas torres metálicas com 45 metros de altura, ligadas entre si e assentes sobre uma base de dois pilares com quatro vigas verticais. As cabines do elevador, que se equilibram por meio de um cabo de aço, têm interior revestido a madeira e espelhos e capacidade para transportar 29 passageiros. Os sucessivos pisos são interligados por uma escada helicoidal, e o último piso oferece um local de miradouro da cidade, onde está instalada uma esplanada.

Passadeira do “Elevador de Santa Justa” sobre a Rua do Carmo

      

9965062175_0722f4e201_o

 

 

fotos in:  Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian, Arquivo Municipal de Lisboa, IGESPAR, Hemeroteca Digital, Biblioteca Nacional Digital

3 comentários:

Luís Alberto Meneses Almeida disse...

Tenho o prazer de ter no meu nome completo dois nomes que me ligam á figura de Alberto Cardoso de Meneses, que foi quem inaugurou o elevador de Santa Justa em Lisboa no ano de 1902. Eu sou Alberto por causa do meu trisavô paterno, que se chamava ALBERTO CARDOSO DE MENESES.

Envia os seus cordiais cumprimentos,o

Luís Alberto Teixeira Dias de Meneses de Almeida

Luís Alberto Meneses Almeida disse...

Sou Luís Alberto Meneses de Almeida e devo fazer esta rectificação em relação á mensagem que eu enviei no dia 17 de Junho de 2015:

A figura de Alberto Cardoso de Meneses, secretário geral do Governo Civil de Lisboa e que esperaram para dar início á inauguração em 1902, do Elevador de Santa Justa em Lisboa, é meu parente porque é meu bisavõ paterno e não trisavô paterno,como eu por engano citei.

Minha avõ paterna era sobrinha de Alberto Cardoso de Meneses e tinha pelo tio Alberto, uma grande admiração e respeito. Por isso mesmo a minha avõ paterna quis que eu fosse Alberto.

Envia os seus cordiais cumprimentos,o

Luís Alberto T.D. Meneses de Almeida

Luís Alberto Meneses Almeida disse...

Seria interessante termos acesso á fotografia de Alberto Cardoso de Meneses, secretário do Governo Civil de Lisboa, neste belíssimo resumo fotográfico sobre o Elevador de Santa Justa na cidade de Lisboa em que estão presentes e muito justamente as fotografias dos engenheiros e demais técnicos que construíram o célebre elevador.
O texto é muito bem documentado com fotos da época 1902 e posteriores, a par das fotografias dos elementos da equipa que construiu o magnífico elevador. Ficaria melhor com uma foto de quem esperaram para vir inaugurar e que foi o Juiz Conselheiro Alberto Cardoso de Meneses.


Envia os seus cordiais cumprimentos
Luís Alberto Meneses de Almeida