22 de junho de 2014

Banco de Angola

O “Banco de Angola”,  foi fundado em 14 de Agosto de 1926, com sede em Lisboa na Rua do Comércio esquina com a Rua da Prata, tendo sido a única autoridade bancária do território de Angola, até 1975. O edifício-sede seria o mesmo onde tinha estado instalado o “Banco Economia Portuguesa”, fundado em 1897.

Edifício ainda pertença do “Banco Economia Portuguesa” onde se instalaria o “Banco de Angola” em 1926

         

A instalação do primeiro estabelecimento bancário em Angola remonta à 1865, e começou a funcionar em Agosto do mesmo ano. Tratava-se de uma sucursal do Banco Nacional Ultramarino, autorizado a instalar-se em Luanda, passando as notas emitidas por este Banco a constituir a moeda nacional. Estavam lançadas as bases para o início do exercício da actividade bancária em Angola.

“Banco Nacional Ultramarino” em Luanda

Contudo, o desenrolar deste processo foi conturbado. O descontrole ao nível da emissão monetária, conduziu a uma situação financeira insustentável na colónia, e para contornar esta situação, as autoridades coloniais criaram uma Junta de Moeda que deu inicio a um processo de reforma monetária, cuja primeira acção foi a constituição de um Banco emissor independente,  o “Banco de Angola”.

Notas de 1927

A delegação do “Banco de Angola” passou a funcionar, de facto, em Angola, numa tentativa de se perpetuar a presença colonial no território nacional. No entanto o Banco nem sempre funcionou nestes moldes. A 14 de Agosto de 1926 altura em que foi criado o “Banco de Angola”, a sua sede estava instalada em Lisboa para «se esquivar às influências locais e para ser mais directa a fiscalização do Ministro das Colónias».

1931

História do “Banco de Angola” publicada no catálogo oficial da “Exposição Colonial Portuguesa”, no Porto em 1934

 

 

Pavilhão do “Banco de Angola” do arquitecto Vasco Regaleira na “Feira de Luanda” em 1938

  

Três Agências do “Banco de Angola”

Mossâmedes

                                                 Lobito                                                                               Novo Redondo

 

O edifício destinado à Direcção Geral do “Banco de Angola” em Angola, foi mandado construir em 1953 e projectado pelo arquitecto Vasco Regaleira. Localizado na Avenida Paulo Dias de Novais, actual Avenida 4 de Fevereiro, em Luanda, seria inaugurado em 1956.

«Data de 1956 a construção e inauguração do edifício do BNA, que se tornou pela sua função, grandiosidade e monumentalidade, no Ex libris de Angola inteira e exemplar único no mundo Lusófono.
As motivações e razões das diferenças impostas no edifício, assentam na importância que se pretendia dar, que fosse por si só, reflectora do Estado da Economia e tempos áureos da época.» in. BNA

O edifício tem formas classicizantes e revivalistas típicas da arquitetura favorecida pelo regime do Estado Novo, estilo também chamado «Português Suave». O edifício desenvolve-se em dois corpos ortogonais ligados entre si por um corpo circular, cuja cobertura é feita por uma enorme cúpula. A arquitetura clássica está representada no edifício no traço das fachadas, distribuição das colunas jónicas, frontão e arcadas que se desenvolvem no piso térreo.

 

Banco de Angola.6

O interior é luxuoso, decorado com mobiliário de madeiras preciosas, quadros e grandes painéis de azulejos representativos da chegada dos portugueses aos reinos do Kongo e N'gola. Também contém belas pinturas a fresco nos tetos de algumas salas e da cúpula do corpo circular, cujo acesso e feito por uma imponente escadaria de mármore. A estrutura do edifício foi realizada com betão armado, material em vanguarda na época, enquanto que as paredes foram feitas com tijolo cerâmico perfurado, com uma camada de reboco e pintado, enquanto na cobertura utilizou-se a telha cerâmica como meio de revestimento e proteção.

Edifício-Sede do “Banco Nacional de Angola” actualmente

 

O “Banco de Angola” deteve até 1957, o exclusivo comércio bancário em Angola, altura em que surgiu no mercado o “Banco Comercial de Angola”, que era estritamente de direito angolano.

Agência do “Banco Comercial de Angola” em Nova Lisboa

                                                  1956                                                                                        1964

 

 

 

Posteriormente o “Banco de Angola”, que para além de deter o direito exclusivo de emissão de notas de Banco, ainda exercia o comércio bancário, passou a contar com a “concorrência “ de mais cinco bancos comerciais: o “Banco Comercial de Angola”, o “Banco de Crédito Comercial e Industrial”, o “Banco Totta Standard de Angola”, o “Banco Pinto & Sotto Mayor” e o “Banco Inter Unido”; assim como quatro estabelecimentos de crédito: o “Instituto de Crédito de Angola”, o “Banco de Fomento Nacional”, a “Caixa de Crédito Agro-Pecuária” e o “Montepio de Angola”.

Nota.7 

Com a nacionalização da banca em Portugal, a 14 de Agosto de 1975 o “Banco de Angola” é nacionalizado e em 1976 é integrado na “União de Bancos Portugueses”.

Na imagem seguinte: Conjunto de 8 caixas de fósforos publicitários do “Banco de Angola”. As caixas mostram diversas agências do banco: Portimão, Queluz, Porto, Algés, Moscavide, S. João da Madeira, Lisboa (Praça de Londres), e Guimarães.

1971

Em consequência do confisco dos activos e o passivos do “Banco de Angola” em Angola, e um ano após a independência de Angola, e através da Lei Nº 69/76 de 10 de Novembro de 1976, foi criado o “Banco Nacional de Angola” e aprovada a sua Lei Orgânica. Ao mesmo tempo é criado o “Banco Popular de Angola”, actuando principalmente como Banco de captação de poupanças individuais.

Bibliografia: também foi consultado o site do Banco Nacional de Angola

fotos in: Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian, Hemeroteca Digital, Arquivo Municipal de Lisboa, Papeisdevalor

1 comentário:

Anónimo disse...

Lembranças de um passado, dir-se-ia, não muito antigo!