4 de maio de 2014

Primeira “Feira Popular de Lisboa”

Sob uma ideia de João Pereira Rosa (director do jornal «O Século»), em que uma Feira permitisse recolher fundos para a “Colónia Balnear Infantil de «O Século»”, Leitão de Barros, e Gustavo de Matos Sequeira criam a “Feira Popular de Lisboa”. Esta seria inaugurada pelo Presidente da República General Óscar Carmona e pelo Ministro das Obras Públicas e Comunicações engº Duarte Pacheco, além de outras individualidades, no “Parque José Maria Eugénio” na Palhavã, em 10 de Junho de 1943, onde anteriormente tinha estado instalado o Jardim Zoológico de Lisboa45 anos antes.

Inauguração da “Feira Popular de Lisboa” na Palhavã em 10 de Junho de 1943

 

Rodagem do filme alusivo à inauguração, com publicidade ao sabonete “Feira Popular” e capa do “Século Ilustrado”

        DIGITAL CAMERA

Vista aérea com o “Bairro Azul à esquerda e a “Feira Popular” à direita

Outras feiras, algumas com características e objectivos diferentes,  já tinham existido em Lisboa, como: “Feira Franca”, “Feira do Lumiar”, “Feira do Campo Grande”, “Feira de Santos”, “Feira de Alcântara”, “Feira de Agosto”, etc. Alguns artigos serão elaborados acerca de algumas destas proximamente.

Na noite da sua inauguração, cerca de 90 mil lisboetas, acorreram á abertura do “Luna-Parque”. «à sua abertura, no Parque de Palhavã, acorreram dezenas de milhares de pessoas na ansia de assistir a um espectaculo de extraordinario bom gosto, de animação e de colorido» in Diário de Notícias.

“Parque José Maria Eugénio” na Palhavã

 

"Logo Á entrada tem o curioso visitante, no intermedio da Radio-Marconi, a possibilidade de dirigir saudações aos seus amigos das colonias e do estrangeiros. Depois, «stands» industriais e comerciais, e de livreiros e de imagineiros, e barracas de tiro ao alvo, e de refrescos, e de flores e manjericos. Mais adiante um casal saloio, da Rinchôa, o paraiso descoberto por Leal da Camara que ali descobriu bares graciosissimos; a presença dos «Amigos de Lisboa», u m canto de Montmartre  um recanto de Bucelas; esplanadas com cinema e variedades; sucursais dum restaurante e dum «dancing», do «Gambrinus» e de «Nina», e as típicas barracas da bela sardinha assada e do bom bife á cortadora, e das farturas; e um circo, e «Julia Mendes», onde uma revista moderna evocará as antigas; o «shoot» á baliza e a garrida Praça de Touros onde vacas bravas esperam os «aficionados» que depois podem discutir as «faenas» a vizinha «tertulia Tauromaquica».
Tudo isto e muito mais se encontra na Feira Popular ali a Palhavã, que ontem foi inaugurada e que durante todo o verão vai constituir o passeio predilecto dos «alfacinhas», dos classicos saudosistas das feiras das Amoreiras, de Belem e de Alcantara, do Campo Grande e do Parque Eduardo VII, onde tambem foi a Feira Franca do centenario da India, e teve a sua Feira de Verão, no local onde ainda está  o lago e onde se verão ainda muitas coisas até se saber se a Avenida por lá passa, e o que é que ali se passa ... " in Diario de Lisboa

 

 

 

 

Convite


Convite e bilhete gentilmente cedidos por Carlos Caria

 

 

Trono de Santo António de Lisboa

Feira na Palhavã.18 (trono de St. António)

Pavilhão de exposições da Câmara Municipal de Lisboa

 

Fila para espectáculo cinematográfico e sala de cinema

 

“Taverna Imparcial”

20140430_095047_1 20140430_095118_1

A “Feira Popular de Lisboa” manteve-se na Palhavã entre 1943 e 1956. No último ano, multidões assistiriam às primeiras emissões da RTP - Rádio Televisão Portuguesa”.

“Inauguração da Televisão em Portugal “ em 4 de Setembro de 1956

  

      

Alguns pavilhões erguidos nesta feira ao longo dos seus 13 anos de existência, todos eles inseridos em artigos desenvolvidos e publicados anteriormente, neste blog, com o link respectivo nas legendas.

                           “Oliva - Oficinas Metalúrgicas“                                                         “General Motors

 

Stand da “Mabor - Manufactura Nacional de Borracha

 

Exposição Agronómica e Florestal

 

                                   General Motors”                                                       “Exposição do Ministério da Guerra

 

Os equipamentos começaram a ser demolidos no ano de 1957, ano em em que a “Feira Popular de Lisboa” encerrou naquele local em definitivo.

A 24 de Junho de 1961 seria inaugurada a nova “Feira Popular de Lisboa”, continuando sob a égide da “Colónia Balnear Infantil de «O Século»” , em Entrecampos, nos terrenos anteriormente ocupados pelo “Mercado Geral de Gados”.

“Mercado Geral de Gados”

 

Nova “Feira Popular de Lisboa”, em Entrecampos inaugurada em 24 de Junho de 1961

 

Cinema da Feira Popular, mais tarde passou a Teatro designado de “Teatro Vasco Santana

 

Acerca da história deste Teatro consultar, neste blog o seguinte link: Teatro Vasco Santana

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian

Sem comentários: