30 de março de 2013

Sapataria e Chapelaria Lord

A sapataria e chapelaria "Lord", na Rua Augusta, 201 em Lisboa, abriu em 1942. Foi projectada pelo arquitecto Francisco Keil do Amaral, que viria também a projectar a Sapataria "Galã ", em 1952, e na mesma rua. Aliás este arquitecto estaria ligado a projectos de outras sapatarias como: além da citada Sapataria Galã de 1952, a Sapataria "Arte", 1953, todas na Rua Augusta; Sapataria "Mário", na Rua de Santa Justa e a  Sapataria "Select", na Rua do Carmo, esta só em projecto.

Frente à porta uma vitrina com uma fiada de caixas altas para chapéus! Do lado esquerdo vitrinas estreitas e bem iluminadas, exibem chapéus. Na quina exterior, o emblema da firma em folha de metal, pintado, um cavalheiro de chapéu alto e casaca, o "Lord".   

                                                              Sapataria e Chapelaria "Lord" em 1942                                             

 

                                                                           Sapataria Lord.9

 

      Placards expostos nas duas montras a quando do "Concurso de Montras" promovido pelo SPN no Natal de 1942

                                              

fotos in: Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian

A "Lord" destaca-se pela beleza: tom acobreado das caixilharias encastradas na fachada em mármore negro, ainda mais a distinguem. A porta chapeada a cobre com 12 óculos entre o circular e o rectângulo, recuada, entre duas montras curvas, mais lhe confere distinção. Cada montra tem ao centro um óculo em que se realça um sapato ou uma mala. Bela decoração de 1970, no interior é de novo o cobre a conjugar com a madeira e o azul petróleo dos estofos e alcatifas.

 

                              

Ao longo dos tempos, muitas das lojas mais aparatosas da Baixa e do Chiado, eram e são as sapatarias: seduzir as clientes não é só pelo sapato mas também pela decoração da sapataria. A sapataria e chapelaria "Lord", pela sua notável decoração é, ainda hoje, a pérola deste ramo, senão mesmo uma das lojas mais belas da Baixa e Chiado.

Hoje a "Lord" pertence ao grupo "Godiva", associando a chapelaria à sapataria, de marca própria ou doutros.

28 de março de 2013

O Correio em Portugal (14)

                                              7º Percurso da Rede de Auto-Ambulâncias Postais em 1956

            

                                         Auto-Ambulâncias Postais nos anos 50 do século XX

 

             

                   Ambulância Postal e Serviço Aéreo Postal em 1942 por Maria Keil  e Ambulância Postal em 1950    

                                

                                                    Estação Urbana na Estação de S.Bento, no Porto em 1941    

                     Estação CTT Porto (S.Bento) (1941).1JPG

                    

                                                        Estação dos CTT de Lamego inaugurada em 1940

                                

                   

fotos in: Fundação Portuguesa das Comunicações

27 de março de 2013

Cavan S.A.

A "Sociedade Portuguesa Cavan S.A." foi fundada em 23 de Junho de 1932 por Jean Baptiste Deffense, altura em que monta uma fábrica na Póvoa de Santa Iria, e instala a sua sede na Rua D. Estefânia em Lisboa.

Fábrica na Póvoa de Santa Iria

 

 

 

1940

A “Cavan S.A.”  tem a sua origem na empresa "Poteaux Cavan" constituída por Pierre Van Caillie e Jean Baptiste Deffense, na Bélgica em 14 de Março de 1924.

“Poteaux Cavan” na Bélgica nos anos 20 do século XX

    

Em 1928 Jean Baptista Deffense, é convidado pela então “CRGE - Companhia Reunidas de Gás e Electricidade”, para fabricar os primeiros postes em betão armado em Portugal para uma rede eléctrica em Sintra.

Inicialmente, além da fabricação de postes em betão armado para alta e baixa tensão, subestações, postes para electrificação de linhas férreas e linhas de trolley-buses, manilhas e tubos em betão, também fabricava granulados de mármore, mosaicos hidráulicos e azulejos.

 

Mosaico “Cavan” em ringue de patinagem

Cavan.60

1943

Postes para a iluminação do Parque Eduardo VII em Lisboa

          Pórtico para Subestação                  Figueira da Foz                    Furadouro-Ovar           Transporte e Iluminação

   

Na 2ª foto anterior o candeeiro na Figueira da Foz, é do mesmo modelo que equipou a estrada marginal Lisboa-Cascais durante décadas, e que quase todos os dias pelo menos um era derrubado por um automóvel devido a acidente.

Candeeiros “Cavan” na estrada marginal Lisboa-Cascais

Estrada Marginal (23)

 

       Electrificação Linha Férrea                    Lisboa                     Posto de Transformação       Trolleybus em Coimbra 

   

A partir de 1940 são montadas mais cinco fábricas em Portugal Continental, em Ovar, Setúbal, Granja de Alpriate,Vila Real, e Faro.

Em 1940 a “Cavan” expande-se para o Brasil. Jean Baptiste Deffense, cria no Brasil, nesse ano, a empresa “Postes Cavan, S.A” e monta a sua primeira fábrica na cidade de Osasco na região da grande São Paulo. Seria o embrião para a criação de mais 28 fábricas espalhadas pelo Brasil.

A administração da “Cavan” no Brasil a partir dos anos 70 do século XX passa a ser feita pelo português Joaquim Furtado Leote até 1983, altura que sai e monta em 1984 outra fábrica concorrente, em São Gonçalo de Sapucaí, no estado de Minas Gerais, propriedade duma nova empresa designada "ERG - Empresa de Premoldados de Concreto, Ltda.". Esta empresa foi resultado da sociedade constituída em 8 de Outubro de 1984, entre quatro portugueses, Joaquim Furtado Leote, Manuel Cruz Azevedo, Agostinho Laranjeira Correia e o engenheiro João da Costa Jacinto, sócio da empresa portuguesa “Sociedade de Construções ERG, Lda.”.

“Cavan / Notícias” no Brasil  (primeira e última páginas)

Cavan.57

Fábrica da ERG em S. Gonçalo de Sapucaí

                                                                                  Catálogo da ERG

             

Tradução de termos técnicos do brasileiro para português: Concreto=Betão, Galpões=Armazéns, Cochos=Manjedouras e Mourões= Postes para cercas

  

A “Cavan” entretanto cria uma holding de seu nome CEPEC que englobava empresas que iam desde a fabricação de produtos em betão armado, passando por transportes - “Transportadora Cavan, S.A.” gerida pelo português Manuel Cruz Azevedo - metalurgia, montagem de linhas eléctricas e serviços. A partir da década de 90 do século XX, começa a reduzir drasticamente as suas actividades no Brasil, mantendo, actualmente, apenas uma reduzida actividade sem expressão comercial.

                                                                           “Transportora Cavan, S.A.”

                                 

 

Em 1957 expande-se para Moçambique montando uma fábrica na Machava em Lourenço Marques.

                                                                                           1959

                          Cavan.19

       Poste 14mts c/ travessas canadianas           Fabricação de poste via curva                       Ensaio no LNEC           

           

Em 1970 expande-se para Angola e finalmente em 1991 também estende-se à África do Sul, exportando postes de alta e baixa tensão para os territórios de Macau e Timor.

                                                      Excerto de folheto de finais dos anos 70 do século XX

      

A 25 de Junho 1994 foi montada, uma torre de telecomunicações, desenhada e construída pela "Cavan", numa só peça (record mundial) com um peso de mais de 100 toneladas, e 74 metros de comprimento na Serra de São Mamede, Portalegre para a "TDP - Teledifusora de Portugal".

Depois de celebrar, em 2002, os seus 75 anos em Portugal e dirigida, pelos descendentes directos do seu fundador, a "Sociedade Portuguesa Cavan S.A." é líder internacional nas áreas de design e fabrico de postes de betão pré-fabricado, exportando para a U.E. e África.

A "Sociedade Portuguesa Cavan S.A.", ainda hoje existe e tem a sua sede na Rua Visconde Valmor, 76 -1º em Lisboa, e fábrica em Santa Iria da Azóia. Além de ter sucursais em Faro, Ovar, Vila Real, Setúbal, mantém uma delegação em Sevilha.

Nota: a quase totalidade das fotos e documentos publicados neste artigo, foram disponibilizados por Filipe da Cruz Azevedo, a quem, mais uma vez, agradeço.

fotos in: Espólio de Filipe Cruz Azevedo, Cavan