21 de junho de 2013

Teatro do Ginásio

Em 12 de Outubro de 1845, abriu o “Gymnasio Lisbonense”, tendo como primeiro proprietário o sr. Motta, que era tipógrafo. Esta casa de espectáculos ocupava os terrenos do antigo Palácio Geraldes, na Travessa do Secretário da Guerra, próximo da Rua das Portas de Santa Catarina a caminho da Trindade.

Pouco tempo depois muda de mãos para um ex-fiscal do Teatro Nacional de S. Carlos”, o de seu nome Manoel Machado, que organizou a primeira companhia de declamação, tornando-se num teatro popular exibindo, também, uma grande variedade de espectáculos. A segunda companhia seria liderada por Emilio Doux.

Menos de um ano depois, uma sociedade composta por alguns artistas, pelo mesmo  Manoel Machado, e pelo sr. Lima, camaroteiro, remodelam totalmente este local e inauguram o “Theatro do Gymnasio” em 17 de Maio de 1846 com o drama “Os Fabricantes de Moeda Falsa”.  «era um teatrinho de cartas, sem proporções, sem espaço, mas alegre e simpático» (Julio Cesar Machado). Neste teatro estreou-se o actor Taborda, que tinha trabalhado na oficina de tipografia do sr. Motta.

                                                                                            1849

«A boa escolha dos espectaculos, o aceio, em que poz a salla, e uma rigorosa policia acreditou em pouco tempo de tal sorte o theatro do Gymnasio, que ordinariamente estava cheio de espectadores .
O Gymnasio é muito frequentado. O público da capital gosta da comédia e da farça, e este theatro apresenta-lhas.» in Galeria Theatral, 1849

«A primeira sociedade frequentava o teatro, e D. Fernando quiz lá ir. O Teatro não tinha cómodos. Daí a ideia de construir outro, no mesmo local.»

                                                       Edifício do “Theatro do Gymnasio” entre 1852 e 1921

                                       

                                                           “Theatros de Lisboa” em 1 de Outubro de 1900                                       

                                        

                                                                                    Preços em 1910

                                 

                                      Bilheteira                                                                          Bilhetes de 1905

Teatro do Ginasio.13 Bilhetes 1905

                                          Planta de 1896                                                                        Planta de 1904                    

  

                                                                  Cena da peça “A Conspiradora” em 1913

                                 

O "Theatro do Gymnasio” reabriu em 18 de Novembro de 1852 , com a peça “O Tio André Que Vem do Brasil” , à qual  assistiram a Rainha D. Maria, o Rei D. Fernando, D. Luiz, D. Pedro V.  Teve como primeiro proprietário o actor Francisco de Andrade. A sua construção custou 12 contos. Aqui se exibiu pela primeira vez em Portugal, Sarah Bernardt na peça "Dama das Camélias". Neste tempo um camarote custava catorze tostões e a geral oito vinténs. Em 1882 estreava-se neste teatro a actriz Lucinda do Carmo.

                                                 1882                                                                          1905

                   

                                                                                           1890

                                       

                                                                       Pano de boca de cena publicitário

                                                                          Programa de Outubro de 1920

 

                Em 5 de Novembro de 1921 o “Theatro do Gymnasio” é totalmente consumido por um violento incêndio

 

             

Decidida de imediato a sua reconstrução pelo empresário Luiz Galhardo, a mesma vai ficar a dever-se ao benemérito Manuel José Mendes, conhecido nos meios teatrais pelo «pae Mendes». Fazendo parte do concelho de família do falecido Francisco de Andrade, já que o único herdeiro e filho deste ainda era menor de idade, Manuel Mendes encabeçou a tarefa da reconstrução do “Theatro do Gymnasio”.

Foi formada a "Sociedade Dramática do Teatro do Gimnasio de Lisboa”, formada pelos banqueiros João Nascimento Santos,  Eduardo Maria Rodrigues e António Botelho que colocaram à disposição todo o capital necessário, cerca de 1.500 contos. Esta empresa ficou encarregue de construir e  explorar este novo Teatro, durante determinado número de anos e em determinadas condições vantajosas para a viúva e o filho de Francisco de Andrade.

As obras do novo Teatro foram efectuadas pelo construtor Domingos Mesquita, e dirigidas pelo engenheiro Fernando Iglésias de Oliveira, seguindo o projecto do arquitecto João Antunes laureado da Academia de Belas Artes. A pintura do tecto da sala de espectáculos ficou a cargo do mestre Domingos Costa.

                                                           Desenho do projecto do arquitecto João Antunes

                     

                                                                              Obras de reconstrução

 

                     O "Theatro do Gymnasio" reabriria em 27 de Novembro de 1925, com a peça "Guerra ao Vinho"

                                             

                                                                                Interiores em 1925

                                              

   

                                                              Fachada exterior do novo “Teatro do Ginasio”

   

Ao lado deste “Teatro do Gimnasio” ficava a sede da “APT - Anglo Portuguese Telephone”, podendo-se observar na penúltima foto a “Cabine Pública” da APT que a seguir reproduzo.

 “Cabine Pública” contígua a uma entrada do “Gimnasio”       Edifício da APT junto ao “Teatro do Gimnasio” em 1930

                          

A capacidade do novo teatro ficou assim distribuída: Plateia 380 lugares; Frisa: 27; Camarotes de 1ª ordem: 29; Balcão de 1ª ordem: 80 lugares; Camarotes de 2ª ordem: 29; Balcão de 3ª ordem :100 e gerais de na 3ª ordem para 250 entradas.
«Sendo a lotação do teatro, calculadas as frisas e camarotes com 5 pessoas, 1.335 espectadores e a receita bruta, a preços moderados, poderá computar-se d'entre seis a sete mil escudos».

O edifício do novo “Teatro do Gimnasio” tinha um café de seu nome “Café Gimnasio”, como pode ser observado no desenho do projecto atrás publicado.

                                     24 de Dezembro de 1936                                   30 de Dezembro de 1936

                              

                Fotos depois de grandes obras de transformação e decoração, penso que nos anos 40 do século XX

                                                            Hall de entrada do novo “Teatro do Ginasio”

                                                                                Sala de espectáculos

                                                                                             Foyer

Anos mais tarde, foi convertido em cinema até aos anos 50 do século XX altura em que passa a ter a classificação de cine-teatro, passando a ser obrigado a exibir por um período de três meses uma peça teatral anualmente.

                                                                                            1942

                                       

                                                   1947

                

                                             

Bilhete


gentilmente cedido por Carlos Caria

Nos anos 80 do século XX o seu interior foi demolido e, mantendo a fachada foi construído o seu interior nos anos 90 para aí alojar um centro comercial com 62 lojas, 25 escritórios, um café-concerto e um parque automóvel subterrâneo.

Já século XXI  este antigo teatro e cinema viu o interior novamente renovado passando a funcionar como teatro, chamando-se actualmente "Espaço Chiado".

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa, Hemeroteca Digital, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian (Estúdio Horácio Novais), Cinemas do Paraíso

Bibliografia: Para a elaboração deste artigo foi, também, consultado o livro “Lisboa Desaparecida” - Vol. 2 de Marina Tavares Dias, Quimera Editores, 1990

Sem comentários: