6 de setembro de 2012

Grande Hotel do Porto

No dia 27 de Março de 1880, na Rua de Santa Catarina na cidade do Porto nascia com toda a pompa e circunstância aquele que viria a tornar-se o local de eleição dos notáveis, dos ilustres, dos aristocráticos e dos carismáticos: o "Grande Hotel do Porto". Com um programa intenso de festas, bailes e banquetes, o Hotel rapidamente conquistou a nata da sociedade portuguesa e internacional, o que lhe conferiu a aura cosmopolita que ainda hoje se sente nas zonas comuns.

O hotel foi fundado por Daniel Martins de Moura Guimarães que foi para o Brasil com 17 anos e regressou ao Porto, em 1867 «com uma fortuna avaliada em mais de setenta contos de reis...».

                     Fachada nos anos 40 do séc. XX                                                       Anúncio em 1895

               

1898

Este hotel projectado pelo arquitecto Silva Sardinha, contrastando com o que na altura o rodeava, o luxo do hotel podia ser visto na sua decoração de espelhos franceses, lustres, florões dourados, colunatas sumptuosas e mármores. Em pleno século XIX,  dispunha já do que se poderia chamar actualmente de health-club, com professor de ginástica inclusive, o que chamavam de «Estabelecimento Balnear com duches therapeuticos».

                                            1910                                                                                        1913

                

No anúncio anterior de 1913 pode-se observar a fachada inicial do hotel que se manteve até 1917.

O "Grande Hotel do Porto", foi posteriormente em 1917, alvo de uma grande renovação a todos os níveis, nos seus exteriores e interiores, promovida pelo seu proprietário José de Oliveira Basto, transformando-o num hotel de luxo.

Na entrada foram colocadas colunas num grande vestibulo, que dava acesso às salas de leitura, de visitas, de escrita, de estar, ao escritório  e ao corredor. Este corredor dava acesso à sala de jantar, ao ascensor e aos quartos de luxo.

                                              Recepção                                                                          Escadaria

 

                                 Corredor                                                                      Salão de estar

 

Bar e Sala de fumo

                                       Salão de jantar                                                                       Cozinha         

 

Sala de Leitura

O hotel foi equipado com ventoínhas eléctricas para constante renovação do ar, passando a oferecer suites de luxo, quartos com banho e outros só com W.C., além de quartos mais modestos. No último piso foi construído um terraço panorâmico, com uma esplanada onde era servido o «chá das cinco».

Esplanada no Terraço

«Por toda a parte, muito ar e muita luz e até, as bandeiras dos quartos teem umas frestas de vidro por onde ele entra em permanente renovação. Agua corrente, quente e fria abunda em todos os quartos, W.C. por toda a parte, assim como casa de banho. (…). E para terminar diremos que o Grande Hotel do Porto, dispõe de uma criadagem tão bem educada, que parece que o sr. Basto, a foi recrutar a uma escola própria» in: Revista de Turismo.

                                               Corredor                                                                              Suite

 

No decorrer dos mais de 100 anos da sua existência foi local de encontros e tertúlias da sociedade Portuense. Por aqui passaram políticos, escritores, espiões, refugiados da guerra, artistas. Quando, em 15 de Novembro de 1889, Deodoro da Fonseca implantou a República no Brasil, o imperador D. Pedro II e sua mulher, a imperatriz Teresa Cristina Maria, viram-se forçados a seguir a via do exílio e foi para a cidade do Porto que se dirigiram em primeiro lugar. E foi aqui, num dos quartos do Grande Hotel do Porto, na Rua de Santa Catarina, que a imperatriz morreu na manhã do dia 28 de Dezembro de 1889. Um outro episódio de realce aconteceu em 1917, quando sob ordens de Sidónio Pais, foi preso, neste Hotel, o ministro Afonso Costa

1934

O "Grande Hotel do Porto" não foi o primeiro hotel da cidade - o primeiro foi o "Hotel de Paris" inaugurado em 27 de Novembro de 1877 - mas é o mais antigo ainda em funcionamento, tendo modernizado os serviços, mas mantendo o charme de outros tempos.

Etiqueta de bagagem

A última grande remodelação deste hotel teve lugar em 2002, preservando a sua traça clássica e modelo originais. Hotel classificado de 3 estrelas dispõe de 94 quartos no total, divididos por 61 quartos standard, 25 quartos clássico e 8 suites, todos não fumadores. Um dos quartos standard do hotel está especialmente adaptado para clientes com deficiências motoras.

"Grande Hotel do Porto", actualmente

 

 

Outrora palco da nobreza e aristocracia mundiais, refúgio de espiões, políticos e exilados, cenário privilegiado de artistas, boémios e intelectuais, o "Grande Hotel do Porto" é ainda hoje, um hotel de charme que mantém o encanto dramático do «fin de siècle» oitocentista harmoniosamente conjugado com modernidade, conforto e design intemporal.

fotos in: Grande Hotel do Porto, Hemeroteca Digital

3 comentários:

Ana Marques Pereira disse...

José Leite,
Este é o meu hotel preferido no Porto. É também um poste adiado que já devia ter publicado. Tenho as fotos inclusivamente.
Não sei se resistirei um dia a falar nele.
Grande abraço

José Leite disse...

D. Ana Pereira

Nos anos 80 também por diversas vezes lá me hospedei.

É um hotel super central na Cidade do Porto

Depois cortaram o trânsito a automóveis na Santa Catarina e tudo se tornou mais complicado.

Um abraço

José Leite

Octávio Miguel Félix disse...

O Grande Hotel de Paris, fundado em 1877, continua em funcionamento, na mesma casa: Rua da Fábrica, 27-29