9 de janeiro de 2012

Primeiras Pousadas de Portugal

Definição de «Pousada» por Clifford & Kirshenblatt-Gimblet: « ... lugares de performance cultural e de representação de mensagens hegemónicas do Estado, veiculando ideias de como devem ser as infraestruturas de acolhimento turístico, ...»

Na sequência da Nota Oficiosa de Março de 1938, em que o Presidente do Conselho Dr. Oliveira Salazar, incluía no elenco de obras a realizar a tempo das celebrações centenárias de 1940, o estabelecimento de certo número de pousadas em recantos provincianos, o “Ministério das Obras Públicas e Comunicações” (MOPC) encarregava os arquitectos Rogério de Azevedo e Miguel Jacobetty Rosa do estudo desta nova tipologia, ficando desde logo estabelecida a distribuição geográfica dos equipamentos. Rogério de Azevedo ficaria encarregue das propostas para a Serra do Marão e Santo António do Serém, ficando Jacobetty Rosa encarregue dos estudos de Elvas e São Brás de Alportel. Entre estudo, projecto e construção, nenhuma destas pousadas seria concluída a tempo das celebrações.

Cartaz do S.N.I.

Estas pousadas, inseriram-se no projecto de criação de uma rede nacional de pousadas regionais, com o fim de dinamizar a oferta turística nacional. Tratava-se de «criar em cada pousada, com a sua originalidade e as características próprias de cada região, uma atmosfera caseira e sem luxos, um ambiente calmo, familiar e português». Esta iniciativa sob a direcção de António Ferro, do “Secretariado da Propaganda Nacional” (SPN), criado em 25 de Setembro de 1933, que a partir de 1944 mudou de designação para Secretariado Nacional da Informação, Cultura Popular e Turismo (SNI), incluiu também a criação da revista "Panorama", em 1941, na qual se iam promovendo a edição de vários roteiros e guias turísticos em diversas línguas.

António Ferro

Revista de Arte e Turismo  “Panorama”

   

As pousadas depois de construídas pelo “Ministério das Obras Públicas e Comunicações” (MOPC) eram entregues ao “Secretariado da Propaganda Nacional” (SPN)

A primeira pousada, a ser construída foi a “Pousada de Santa Luzia”, em Elvas localidade conquistada aos mouros por D. Afonso Henriques em 1166. Inaugurada em 19 de Abril de 1942, é o que agora se chama uma pousada regional. O projecto desta pousada foi da responsabilidade do arquitecto Miguel Jacobetty Rosa. Oferecia 6 quartos duplos aos viajantes e visitantes de Elvas. Os arranjos interiores iniciais estiveram a cargo dos Serviços de Turismo e Serviços Técnicos do Secretariado da Propaganda Nacional. Nesta data a concessão foi entregue ao poeta alentejano Joaquim Azinhal Abelho.

Fotos da “Pousada de Santa Luzia”, em Elvas

  

  

 Pousada de Elvas.6

Em Agosto de 1964, foi elaborado o projecto de ampliação da Pousada, da autoria de Miguel Jacobetty Rosa, sendo introduzida uma a sala de estar, no prolongamento para Este. da fachada principal, um pequeno bar de apoio e o aumento dos seis quartos iniciais para onze. A “Pousada de Santa Luzia”  já com 25 quartos, faz parte actualmente, do universo das "Pousadas de Portugal".

A “Pousada de S. Gonçalo”  na Serra do Marão, a cerca de 20 kms de Amarante foi a segunda a ser inaugurada, a 29 de Agosto de 1942. Com 5 quartos, foi construída junto à apelidada «curva da morte» em pedra de xisto integrando-se perfeitamente no seu ambiente natural a 880 metros de altitude. Das suas janelas e varandas avista-se o esplendoroso vale, imenso e profundo da Serra do Marão. Foi ampliada em 1961.

Foto da “Pousada de São Gonçalo”, em 1942 no Marão …

… e em 1953, com um Ford Taunus 12M na imagem

“Pousada de São Gonçalo”, após obras de ampliação em 1961

 

      

O primeiro concessionário desta pousada foi Alcino Reis. Depois de ter pertencido ao “Grupo Pestana Pousadas”, foi adquirido em 2007 por António Ribeiro Pereira que também é o proprietário da empresa “Água do Marão”.

A “Pousada de Santo António do Serém” em Serém, em Macinhata do Vouga, no distrito de Águeda, foi inaugurada em 24 de Setembro de 1942 e a terceira a entrar em funcionamento. Também projectada pelo arquitecto Rogério de Azevedo a decoração dos seus interiores ficou a cargo ao pintor e decorador Carlos Botelho. Em 1957 sofreu obras de ampliação.

Já não pertence à rede das “Pousadas de Portugal” e encontra-se encerrada.

Fotos da “Pousada de Santo António”, em Serém

CFT003 006089 001

«As pousadas do SPN são consideradas como verdadeiros cartões postais das diversas regiões do país e da sociedade portuguesa do Estado Novo»: Heloísa Paulo

A “Pousada de São Brás de Alportel”  seria a quarta a ser inaugurada, em 11 de Abril de 1944. Situada em São Brás de Alportel, no Algarve na Serra do Caldeirão, e a 19 kms de Faro, e projectada pelo arquitecto Miguel Jacobetty Rosa,  possuía apenas 4 quartos à data da sua inauguração. A decoração de interiores ficou a cargo de Ane-Marie Jauss, Vera Leroy. A direcção desta pousada foi entregue a Margarida Freire Pacheco e seu marido Joaquim Pacheco. Nos anos 50 do século XX esta pousada sofreu obras de ampliação passando a oferecer 30 quartos duplos. Depois de pertencer às "Pousadas de Portugal" e posteriormente ao “Grupo Pestana Pousadas” foi encerrada, por inviabilidade financeira, em 2010.

“Pousada de São Brás de Alportel”,  em 1944    

Fotos da “Pousada de São Brás de Alportel”, nos finais dos anos 50 do séc. XX  após obras de ampliação        

«O seu grande cartaz de turismo é a paisagem de sonho que a rodeia, onde avultam cordilheiras cercadas por neblinas, desfiladeiros e vales profundos, castelos de nuvens e campos infindáveis onde florescem amendoeiras…».  António Santos in “Revista Turismo”, de 1940 acerca de São Brás de Alportel.

fotos in: Hemeroteca Digital, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian

Foram inauguradas posteriormente as seguintes 3 pousadas completando o plano inicial das 7 pousadas regionais oficiais do turismo:

Pousada de São Martinho, em Alfeizerão - São Martinho do Porto, inaugurada em 25 de Agosto de 1943

Pousada de Santiago, em Santiago do Cacém, inaugurada em 10 de Fevereiro de 1945

Pousada de São Lourenço, em Manteigas na Serra da Estrela, inaugurada em 14 Março de 1948

Estas pousadas eram acompanhadas regularmente pelas «Brigadas Hoteleiras» que aconselhavam, solucionavam problemas de decoração, vistoriavam hotéis, pensões e pousadas e que regulavam localmente a instalação de equipamentos turísticos.

Em 1952 contavam-se 8 pousadas e 10 estalagens. Em 1956 10 pousadas e 21 estalagens. Em 2001 contavam-se já 44 pousadas, das quais 18 estavam instaladas em edifícios históricos.

«Quando um hóspede deixar de ser tratado pelo nome para ser conhecido pelo número do quarto que ocupa, estaremos completamente desviados do espírito das pousadas»:  António Ferro

5 comentários:

carol disse...

LINDO! Só é pena que tenham atualmente uns preços tão elevados!

legião 1143 disse...

pousada ou devo dizer pouzada do Marão em 1948

https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=oxGSKbbieiU#!

José Leite disse...

Legião 1143

Em 1948, como fácilmente poderá constatar escrevia-se «pousada» e não «pouzada»

Cumprimentos~

José Leite

legião 1143 disse...

Não viu então o vídeo ? iria perceber aos 9 seg.
Cumprimentos .

José Leite disse...

Legião 1143

Sinceramente só vi hoje o vídeo, pois ontem estava atrapalhado com um problemita, mas não quis deixar de lhe responder como é meu costume.

Vi hoje e reparei, mas a pessoa que escreveu o genérico ainda utilizava a terminologia antiga como mais tarde em muitos estabelecimentos de Portugal ainda se encontrava escrito «pharmacia» ...

Grato pelo seu comentário

Cumprimentos

José Leite