7 de novembro de 2011

Hotel Tivoli

Os dois empresários fundadores do “Hotel Tivoli”,  Joaquim Machaz e José Francisco Cardoso, começaram com uma pensão, em 1926, situada no lado oposto da Avenida da Liberdade, junto ao Cinema Tivoli onde foi buscar o nome tendo-se transferido para o quarteirão em frente e alugado o Palacete Rosa Damasceno que transformaram em hotel.

“Pensão Tivoli”, ao lado do Cinema-Teatro “Tivoli”

Edifício do “Lis-Hotel” onde esteve instalada a “Pensão Tivoli”

A “Pensão Tivoli” desde 1926 ocupava o edifício pertencente a José de Sousa Braz, e projectado, para este fim, pelo arquitecto  Manuel Norte Júnior e que seria Prémio Valmor em 1927. Esta obra foi alterada logo em 1930. Sendo ampliado o edifício deu lugar ao Lis Hotel , que foi demolido em 1980, à excepção da fachada.

Palacete Rosa Damasceno, futuro “Hotel Tivoli”

 Primeiro “Hotel Tivoli”

       

Este primeiro “Hotel Tivoli”, inaugurado em Junho de 1930, tinha 45 quartos dos quais 8 com casa de banho e telefone, tendo a gerência transitado da “Pensão Tivoli”.

Interiores do primeiro “Hotel Tivoli”

 

1940

O actual Hotel foi construído sobre o primitivo “Hotel Tivoli” , que tinha ocupado o Palacete Rosa Damasceno, e que terá tido alterações de ampliação pelo arquitecto de início de século 20, Norte Júnior, mostrando que os proprietários estavam desde cedo interessados em expandir o seu estabelecimento e que se apoiavam nos arquitecto de renome à época.

Conjunto do Hotel Tivoli e palacete à sua esquerda

Ambos revelaram um apurado sentido empresarial, sabendo aproveitar as oportunidades. Dois marcos fundamentais para o crescimento e consolidação do primitivo Hotel Tivoli foram a guerra civil espanhola e a II Grande Guerra Mundial.

Hotel Tivoli  Hotel Tivoli.1

O actual edifício do Hotel Tivoli é na realidade composto por dois blocos. Numa 1ª fase, em 1956, um bloco de oito andares, a Nordeste, onde se desenvolve a fachada e as principais zonas comuns do Hotel, projectado pelo arquitecto Porfírio Pardal Monteiro, que resulta da demolição de um dos palacetes. Dois anos depois é demolido o Palacete Rosa Dasmaceno e constrói-se a outra parte, correspondendo ao bloco Sul que abrange as varandas no gaveto, já sob o projecto do arquitecto, seu sobrinho, António Pardal Monteiro e Anselmo Fernandez tendo o primeiro colaborado no projecto desde o seu início. A construção fica concluída em 1959.

1ª Fase do novo “Hotel Tivoli”, em 1958

Maquetas já incluindo o 2º bloco, a Sul, após a demolição do Palacete Rosa Damasceno

 

Anúncio em 1958

Versão definitiva

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian (Estúdio Mário Novais), IÉ-IÉ

Numa 3º fase, de construção na década de 70 do século XX, o arquitecto Artur Bentes, projecta e é construído, um 3º bloco, sobre 1º piso já existente, com o aumento de 6 novos quartos por piso no bloco a Noroeste.

Em 1981, é construída a piscina e court de ténis. E no ano 2000 é criada uma mezzanine no “Restaurante Beatriz Costa”. Esta famosa actriz do teatro e cinema português viveu até à sua morte em 1996, neste hotel.

Lobby, Bar e Sala da Jantar no início dos anos 70 do século XX

         

Hoje o “Tivoli Lisboa” , pertence à cadeia “Tivoli - Hotels & Resorts” .Nos seu 8 pisos alberga 329 quartos sendo 30 suites e suites juniores.  O 1º piso, com ampla sala rectangular com colunatas após a zona de entrada onde estão a recepção à esq. e a caixa e bengaleiro na direita. Após pequena escadaria, sala de convívio e no piso superior ligação às salas de reuniões. A ligação entre os dois pisos é feita pelas escadas laterais à direita ou pelo “Restaurante Beatriz Costa” instalado no gaveto. No 10º piso, encontrar-se o “Restaurante Terraço” com vista panorâmica.

O “Tivoli Lisboa”, actualmente

                                           Lobby                                                                                   Brasserie

       

                                            Quarto                                                                            Restaurante Terraço

        

11 comentários:

APS disse...

Caro José Leite

Li com muito agrado este seu "post" que na realidade, representa uma apurada pesquisa da sua parte, além de ficar aqui registado abundante material de informação histórica.

Nunca estive instalado neste Hotel, mas no final dos anos 80 do século passado, fui visitar uma pessoa amiga, que estava hospedado nesta unidade hoteleira. Achei o espaço muito moderno e, provavelmente, já com obras de nova roupagem.
Um abraço
APS

José Leite disse...

Caro APS

Grato pelo seu comentário.

O Hotel Tivoli, apesar de não ser tão imponente como o Hotel Ritz, sempre gozou de mais prestígio e sempre mais solicitado por clientes, e empresas, com poder económico.

Um abraço

José Leite

Anónimo disse...

Gostei imenso de ver estas imagens. O meu Avô é um dos sócios fundadores e é com muito orgulho que vejo o trabalho dele aqui relembrado por si. Realmente, e como o APS diz, a nova roupagem é muito moderna. Principalmente no Hall. Ficou muito despido e sem aquele charme de outrora.
Obrigada pela sua pesquisa,
Bárbara

José Leite disse...

Cara D. Bárbara

Agradecido pelo seu comentário.

Um dos objectivos deste blogue é,realmente, lembrar e relembrar o que o nosso país teve e tem de bom, e não só ...

Os meus cumprimentos

José Leite

Bernardo disse...

Caro José,
Grandes saudades !
Fui grande amigo do saudoso Joaquim Machaz, filho, assim como sou amigo do irmão António e dos outros. Sempre fui muito bem recebido nesse belíssimo Hotel, que tanto frequentei e usei, nomeadamente uma suite, onde passei 2 noites da minha lua de mel em 1984. Fui também um grande frequentador do Grill, onde todos os dias 24 de Dezembro, juntamente com um grupo de+3amigos, religiosamente almoçávamos, por sinal,lindamente.Um abração.Bernardo

José Leite disse...

Caro Bernardo

Grato pelo seu comentário e partilha das suas saudades deste belíssimo hotel

Abraço

José leite

fernão cardoso disse...

José leite, sou neto do fundador José francisco cardos, do qual uso com orgulho o apelido. Obrigado por estas belas mem
orias de monetos tão bons passsados nesse mítico e emblemático local da avenida da liberdade. Um bem haja para si e, novamente, lhe agradeço esta "memory lane" através desats fotos.

José Leite disse...

Caro Fernão Cardoso

Grato pelas suas amáveis palavras

Os meus cumprimentos

José Leite

Pedro Jose disse...

QUE SAUDADE QUANDO TRABALHAVA NO TIVOLI,ME LEMBRO QUANDO IA AO QUARTO
DA DONA BEATRIZ COSTA LEVAR UM ÇESTINHO DE FRUTA ELA ME DAVA SEMPRE UMA GARRAFA DE BRANDY FUNDADOR.
SAUDADES DESSE TEMPO.

Ana Constança Pardal Monteiro Reis disse...

Sendo uma das muitas obras do meu avô, Arqtº Porfírio Pardal Monteiro, curiosamente nunca visitei este belo edifício, bem como muitas outras obras dele que não estão abertas ao comum dos visitantes. Como neta, tenho pena, mas entendo. Ao bloguista José Leite agradeço ter mencionado que o projecto original é de PPM e não do seu sobrinho António, como a maioria escreve. Cumprimentos, Ana Pardal Monteiro

José Leite disse...

D. Ana Reis

Não tem que agradecer. Apenas tento ser o mais rigoroso que me é possível.

Para mim o seu avô terá sido o mais importante arquitecto português do século XX.

Os meus cumprimentos

José Leite